COMERCIANTES PEDEM MELHORIAS NA PRAÇA MANOEL NOVAES

A Praça Deputado Manoel Novaes, inaugurada em 1984, pelo governador João Durval ainda é um cartão postal de Guanambi e ponto de encontro de muitos estudantes.

Jairo Magalhães anuncia diversas obras em Mutans, instala subprefeitura e inicia “Projeto Prefeitura Itinerante”

A manhã deste sábado (16), com grande presença popular, a população do distrito de Mutans recebeu diversos benefícios e ações, onde o prefeito Jairo Magalhães anunciou diversas obras para a localidade, e ainda assinou ordem de serviço para o início da pavimentação de 7 ruas, e a construção de uma quadra poliesportiva, cujo projeto, a prefeitura irá ampliar e realizar a cobertura, construir vestiários e transformar em um miniginásio.

PSB DEFENDE REELEIÇÃO DE LÍDICE PARA O SENADO

Cerca de 400 pessoas lotaram a sede do Partido Socialista Brasileiro (PSB), neste domingo (17), para participar do Congresso Estadual. Prefeitos da legenda e mais de 150 vereadores estiveram representados no ato político, que contou ainda com presença do governador Rui Costa e de seu vice, João Leão, além do secretário da Ciência, Tecnologia e Inovação da Bahia, Vivaldo Mendonça.

GUANAMBI: CLIENTE DO BANCO DO BRASIL DIVULGA VÍDEO MOSTRANDO O DESCASO DA INSTITUIÇÃO COM A POPULAÇÃO

Um vídeo gravado por um cliente do Banco do Brasil mostra o descaso e a falta de respeito da instituição Bancária com o cidadão Guanambiense. O vídeo mostra apenas duas funcionárias para atender uma imensa quantidade de clientes em plena Segunda-feira, dia com maior movimentação de clientes.

SESSÃO ITINERANTE DA CÂMARA DE VEREADORES DE GUANAMBI NO DISTRITO DE CERAÍMA

Ontem (10), no Distrito de Ceraíma, aconteceu a sessão itinerante da Câmara de Vereadores de Guanambi com o objetivo de ouvir as demandas da comunidade do Núcleo, Vila, Beira da Barragem, Olho D'Água, Baú e da zona rural. o.

19 de set de 2017

CÂMARA DE GUANAMBI IRÁ DISCUTIR BARRAGEM DA BAMIN



A Câmara de Guanambi irá buscar esclarecimentos junto ao Ministério Público com relação a Barragem de rejeitos da Bahia Mineração. A informação foi dada pelo Presidente da casa, Dr. Agostinho Lira na sessão Ordinária desta segunda feira, dia 18.

A Câmara de Guanambi irá buscar esclarecimentos junto ao Ministério Público com relação a Barragem de rejeitos da Bahia Mineração. A informação foi dada pelo Presidente da casa, Dr. Agostinho Lira na sessão Ordinária desta segunda feira, dia 18. De acordo com o Presidente ele irá solicitar uma audiência junto a Promotoria do meio Ambiente já que há notícias de que a Promotoria Estadual articulou uma ação relacionada ao assunto.
Na próxima segunda feira, dia 25, a Câmara Itinerante se reúne no distrito de Mutans.
Na ordem do dia, foram aprovadas indicações dos Vereadores solicitando melhorias para a comunidade.

 

Lula e o efeito saturação


ALDO FORNAZIERI
Cientista político e professor da Fundação Escola de Sociologia e Política
247 BRASIL


"Fim do jogo", "bala de prata", "fim da linha para Lula". Estas foram algumas das definições expedidas por analistas e comentaristas políticos acerca do depoimento de Palocci, imputando acusações genéricas contra Lula. As evidências empíricas e as pesquisas de opinião, contudo, indicam que o que chegou ao fim da linha são os efeitos da guerra de desgaste que vem sendo travada contra o ex-presidente desde o início da atual crise política. Os que não se deram conta deste fato são, João Dória, alguns comentaristas que se consideram vacas sagradas do jornalismo político e os fascistóides empedernidos que vêem em Lula a encarnação do demônio.
A destruição da figura política e histórica de Lula era um dos objetivos iniciais da Lava Jato, particularmente dos procuradores de Curitiba e do juiz Moro, mas também dos políticos que se agregaram no golpe e de boa parte do jornalismo político. Com o estilhaçamento do bloco golpista, com a percepção de que o governo Temer é uma quadrilha e com o envolvimento crescente de políticos governistas nas denúncias de corrupção, a frente ampla de ataque a Lula se reduziu.
A estratégia adotada pelos inimigos de Lula foi a de um fogo de barragem, uma guerra de saturação prolongada e concentrada na figura dele, depois de derrubada a Dilma. Este fogo consistiu no uso de todas as armas lícitas e ilícitas, em todas as frentes - estatais e não estatais, públicas e privadas. Lula foi apresentado desde o início como o grande chefe, o "general da propinocracia", nas palavras do Dallagnol.
Mas a guerra de saturação produziu uma contra-face, inesperada pelos seus operadores: a saturação da opinião pública. As acusações e delações contra Lula são tantas que poucos sabem acerca do que ele está sendo acusado.  Acusações e delações contra ele esgotaram a capacidade de provocar abalos emocionais, na medida em que houve uma saciedade de emoções. Diga-se agora o que se disser a respeito de Lula, se não vier acompanhado com malas de dinheiro, com contas recheadas por milhões de reais, não produzirá mais nenhum efeito significativo, pois se produziu um estado psicológico nas pessoas que chegou ao limite a respeito do assunto. As pessoas estão saciadas de denúncias contra o ex-presidente. O que vier agora tende a ser rejeitado, provocando fastio, cansaço, aborrecimento, tédio e recusa.
Ao esgotar a sua potência emocional, as novas denúncias, pelo contrário geram incômodo e indiferença. As pessoas comuns raciocinam e chegam às suas conclusões usando o método comparativo. Com isto, percebem três coisas:  1) Lula é acusado de ser dono de um triplex, de um sítio, de um terreno para o Instituto e de um apartamento em São Bernardo do Campo que, comprovadamente, não são seus e que o MP e Moro não conseguem provar a propriedade do ex-presidente; 2) em contraste com a imaterialidade das acusações contra Lula, há a materialidade de 51 milhões no apartamento do Geddel, a mala de dinheiro de Temer e Rocha Loures, os dois milhões de Aécio Neves e várias contas, jóias e dinheiro de outros acusados; 3) há uma crença generalizada de que nada será feito contra Temer e contra Aécio Neves.
A interligação de todos esses pontos na mente das pessoas comuns reforça a crença de que se Lula cometeu pecados, estes são menores do que aqueles dos seus inimigo e de que há uma ação persecutória contra ele por parte do Ministério Público e do juiz Moro. Há que se considerar também que boa parte daqueles que lutaram pelo afastamento de Dilma e pela condenação de Lula estão estupefatos com os crimes revelados, praticados por políticos do atual condomínio de poder.
As políticas anti-sociais, anti-culturais, anti-ambientais e anti-civilizacionais praticadas pelos governistas revoltaram muitos dos seus apoiadores iniciais. O entorno fascista do governo e dos políticos que o compõem, que cresce em número e ousadia, vem colocando muitas pessoas em estado de alerta e revendo positivamente os seus posicionamentos em relação a Lula, ao PT e às esquerdas. Por outro lado, há uma clara decomposição do centro político com a crise e cisão do PSDB. Com isso, o movimento da política se desloca para uma polarização crescente, tendo Lula de um lado, e as duas faces fascistóides do outro: Bolsonaro e Dória.
Lula ou guerra?
O ex-ministro Gilberto Carvalho vaticinou que se Lula não for candidato em 2018 "vai ter guerra.  Uma guerra que não será feita por nós. Será feita por estes tantos que demonstraram agora, na caravana, o amor e a esperança que eles têm no Lula e por esta gente que estava aqui hoje e os tantos milhões de brasileiros que nós vamos abraçar em outras caravanas futuras". Seja qual for o significado da palavra "guerra", aqui, este é um problema, um equívoco, que as esquerdas vêm repetindo desde 1964.
Naquele ano, Jango teria movimentos sociais que o sustentariam e até mesmo uma base militar nas Forças Armadas para enfrentar os golpistas. O golpe foi sacramentado sem que ocorressem reações significativa. Com  Dilma, ocorreu a mesma coisa: existiria um exército do Stédile, e o presidente da CUT anunciou que reagiria ao golpe nas trincheiras, com armas na mão. No dia 17 de abril, os militantes e ativistas se retiraram do Vale do Anhangabaú e de outros locais, cabisbaixos e desmoralizados, sem exército e sem trincheiras.
Acreditar que o povo das caravanas fará "guerra", espontaneamente, pela sua própria iniciativa, significando esta, provavelmente, luta, manifestações, mobilizações, significa acreditar numa ilusão. O povo das caravanas só se mobilizará se tiver comando e direção e se este comando tiver uma estratégia definida. Não é isto o que se vê no PT. Mantidas as atuais condições, se Lula for condenado, com a subtração do direito de concorrer, haverá uma manifestação aqui, outra acolá, uma retórica contundente da direção petista e nada mais. Para haver lula, mobilizações, desobediência civil, é preciso que isto tudo seja construído e organizado. Acreditar na benevolência ou no temor dos juízes do Tribunal Regional Federal da 4ª Região é um ato de extrema ingenuidade.
A estratégia das caravanas é correta e necessária. Lula saiu da condição de ser um alvo fixo e passivo do juiz Moro e da Lava Jato. Saiu da defensividade para travar uma guerra mental, na fluidez de um terreno em que ele tem o domínio e que os seus inimigos não o conhecem e onde não sabem se mover. Trata-se agora de travar essa guerra conceitual e simbólica que Lula sabe travar, de confundir os juízes e de jogar o seu julgamento para o povo.
Mas as caravanas não podem ser um mero passar de Lula pelas cidades, um ato, uma caminhada, que se esgotam em si mesmos. É preciso extrair saldos organizativos das mesmas e criar a consciência de que o que se decide, neste momento, no Brasil, é se Lula pode ou não pode concorrer. Os petistas e Lula indicarão as consequências e as providências a serem desencadeadas se houver uma interdição do direito de disputar as eleições? A direção do PT precisa responder essa questão.

DILMA LIDERA PESQUISA PARA O SENADO EM MINAS

Roberto Stuckert Filho/PR | Jefferson Rudy/Agência Senado

A presidente deposta Dilma Rousseff poderá dar a volta por cima nas eleições de 2018; isso porque ela lidera as pesquisas para o Senado em Minas Gerais e poderá bater, mais uma vez, o senador Aécio Neves (PSDB-MG), que, após ser derrotado por ela na disputa presidencial de 2014, se uniu ao ex-deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) para golpear a democracia brasileira; Dilma tem 12% das intenções espontâneas e aparece à frente de Aécio, com 10%, que ainda pode desabar com a divulgação de seus grampos com a JBS, em que ele fala em matar o primo Fred Pacheco, que recebeu malas de R$ 2 milhões; outro senador que concorreria com Dilma seria Zezé Perrela (SD-MG), também envolvido no escândalo JBS, uma vez que o dinheiro das malas foi encaminhado a uma das suas empresas. 247 BRASIL

PESQUISA CNT/MDA CONFIRMA A MORTE DO PSDB


A população brasileira não perdoa o PSDB por ter golpeado a democracia e por hoje dar apoio a Michel Temer, denunciado por corrupção, obstrução judicial e comando de organização criminosa; os três candidatos do partido hoje não teriam condições de chegar ao segundo turno; tanto Geraldo Alckmin, com 8,7%, como João Doria, com 9,4%, ficariam em quarto lugar, atrás de Lula, favorito absoluto, Jair Bolsonaro e Marina Silva; Aécio Neves, líder do golpe, cairia para a quinta posição, com apenas 3,2%; a pesquisa demonstra, portanto, que o único caminho para o PSDB se manter no poder é fora da democracia – o que representa uma ameaça permanente contra o Brasil. 247 BRASIL

PESQUISA CNT: LULA É FAVORITO E VENCE EM TODOS OS CENÁRIOS PARA 2018

RICARDO STUCKERT


Pesquisa da Confederação Nacional do Transporte mostra o ex-presidente Lula como o favorito para a eleição presidencial de 2018; petista lidera em todos os cenários pesquisados; na espontânea, Lula tem praticamente o dobro das intenções do deputado Jair Bolsonaro, com 20,2% contra 10,9%; o prefeito João Doria tem apenas 2,4%; nas três situações simuladas de 1º turno, Lula tem 32% e vence todas, com Bolsonaro em segundo e Marina Silva na terceira colocação; nos cenários de 2º turno, Lula também não é ameaçado e derrota Bolsonaro, Aécio Neves, Geraldo Alckmin e Doria com folga. 247 BRASIL

GUANAMBI: ELEIÇÃO DA REITORIA DA UNEB




Nesta terça-feira, 19, a comunidade acadêmica da Universidade do Estado da Bahia (UNEB) Campus Guanambi recebe a visita do candidato à vice reitor Joabson Lima Figueiredo.  O Professor Joabson concorre na chapa da Professora Carla Liane Nascimento Santos. As eleições acontecerá no dia 03 de outubro de 2017.

Vejam as três chapas que disputam a reitoria da Instituição: Chapa Professora Carla Liane Nascimento Santos, atual vice-reitora, tendo como candidato a vice o professor Joabson Lima Figueiredo; a chapa Valdélio Silva e Márcia Guena e a chapa do atual reitor José Bites de Carvalho e o candidato a vice-reitor Marcelo Ávila.


Hoje 19, às 18 horas,  acontece um debate entre os candidatos no campus da UNEB de Brumado que será transmitido por meio de videoconferência para todos os campi da instituição.


Chapa Valdélio Silva e Márcia Guena.

Chapa José Bites de Carvalho e Marcelo Ávila.

Leão: Energia eólica será maior que hidrelétrica na Bahia; Chesf ‘prejudica’ São Francisco

Terça, 19 de Setembro de 2017 - 00:00

BAHIA NOTÍCIAS

por Luana Ribeiro
Leão: Energia eólica será maior que hidrelétrica na Bahia; Chesf ‘prejudica’ São Francisco
Foto: Paulo Victor Nadal / Bahia Notícias

A produção de energia eólica e solar na Bahia já é distribuída ao sistema de energia elétrica, mas, em tempos de estiagem, ainda tem um longo caminho a percorrer para, se necessário substituir a produção hidrelétrica. “Já é matriz. Nós vamos produzir mais energia eólica do que Sobradinho, do que todo sistema do São Francisco, o sistema Chesf, e mais energia solar do que todo sistema Chesf”, afirma o vice-governador e secretário de Planejamento, João Leão. A previsão é de que a Bahia ultrapasse o Rio Grande do Norte na produção de energia eólica ainda neste ano, diz o titular da Seplan. “O sistema Chesf, inclusive, está prejudicando o São Francisco. Porque no Rio São Francisco, quando o lago está cheio, de Sobradinho, parou de chover. Mas ele continua soltando ali 1.200 metros cúbicos por segundo. Você podia diminuir um pouco aquilo para não chegar ao ponto que estamos chegando, Sobradinho ter só 6% de água. 6,4% hoje”, avalia. O vice-governador aponta que a companhia tinha que ser “mais responsável”. “Eles estão jogando 600 metros cúbicos por segundo. Soltava 1.200, agora estão soltando 600. Devia estar soltando hoje 300, para manter exclusivamente a navegabilidade do rio. Se a chuva demorar, como é que nós vamos ter água para soltar para frente?”, reclama. Questionado sobre o diálogo com o governo federal referente à questão de geração de energia no São Francisco, Leão classifica a relação como “difícil”. “Às vezes temos. Mas é cada sapato no seu pé. É difícil ter um diálogo dessa natureza, porque a Chesf é dona da verdade. Ela quer soltar porque ela precisa faturar”.  Além da produção de energia, ele cita também os projetos de irrigação. “As usinas de açúcar da Bahia só produzem 10% do seu álcool, 9,3% do seu açúcar”, cita, em menção à Agrovale, em Juazeiro. A ideia é replicar um modelo de irrigação usado pela empresa que amplia o resultado de uma média de 136 toneladas por hectare para 300 toneladas por hectare. “Uma usina em SP produz 83 toneladas de cana por hectare”.